De cima do mundo eu vi o tempo: A Banda Mais Bonita da Cidade canta o amor em novo álbum

O novo disco d’A Banda Mais Bonita da Cidade e um espetáculo para cantar o amor

De cima do mundo eu vi o tempo é o novo disco d’A Banda Mais Bonita da Cidade e seu lançamento nos palcos aconteceu nesta terça-feira (29), no Teatro Porto Seguro, em São Paulo. O meio de semana à noite não impediu um teatro lotado de cantar junto com a Uyara, vocalista, todas as músicas num tom uníssono. Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

Eu sou o amor da sua vida

Eu sou o amor da sua vida

Já que eu não acho o amor da minha vida, fiz que fiz até que chegasse pra mim a informação: eu sou amor da vida de quem? Eu vou até lá, deixa comigo, tomo a iniciativa e resolvo esse problema. Assim a gente pula o itinerário corpóreo das almas que nunca são o amor da vida de quem as abraça. Pois bem: descobri. Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

Sobre você: era pra ser um poema, mas virou turbilhão

Sobre você: era pra ser um poema, mas virou turbilhão

Era pra você ser uma crônica escrita num domingo de manhã, com cheiro de café recém-coado e gosto de quem dormiu tudo o que precisava. Era pra você ser um poema escrito na sexta a noite depois do expediente, com o peso das costas e o suor do dia que insiste em nunca acabar. Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

RESENHA | Uma vida inventada, de Maitê Proença

RESENHA | Uma vida inventada, de Maitê Proença

Mario Quintana falou uma vez em carta que o leitor gosta mais do poeta por quem ele mesmo é do que pelo o que o poeta escreve. Se o tempo não fosse empecilho, diria que ele escreveu isso depois de ler Uma vida inventada, da Maitê Proença. Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

Hoje eu não vou falar de amor

Eu não vou falar de amor. Falar de amor é uma merda. Falar de amor sempre rasga o peito e divide ao meio o sentimento bom que às vezes nem chega a ser. Hoje eu vou falar só da parte boa. Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

5 bares no ABC pra tomar uma cerveja por mais ou menos R$10

5 bares no ABC pra tomar uma cerveja por mais ou menos R$10

Fim de salário é aquela coisa trágica: o VR já acabou, você já passa o  Bilhete Único com medo de ficar travado na catraca e saca o dinheiro pra evitar o cartão de acusar “Transação Não Autorizada”. Tudo bem. Tá todo mundo na mesma.

Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

Por que você não deveria acordar cedo pra ir trabalhar

Você não deveria acordar cedo pra ir trabalhar

Você já parou pra pensar como é doentio o fato da gente acordar cedo pra trabalhar? A gente só acorda cedo pra isso. A gente podia fazer tanta coisa mais interessante. Acordar cedo pra andar. Pra tomar café. Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

Nossa relação com a comida não precisa ser de desconto

Nossa relação com a comida não precisa ser de desconto

Hoje completo uma semana sem comer carboidratos ou açúcares. Me intoxiquei de tralhas no organismo e desenvolvi uma alergia à lactose que piorou uma intolerância que trago desde a infância e enfim: dieta restritiva, aqui estamos nós. Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

Outros jeitos de usar a boca | Rupi Kaur, a mulher e a literatura

Outros jeitos de usar a boca | Rupi Kaur, a mulher e a literatura

No mês passado, aconteceu um bate-papo no Espaço Cult na Vila Madalena, em São Paulo, sobre o livro Outros jeitos de usar a boca, da Rupi Kaur. Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

NETFLIX confirma cancelamento de SENSE8!

NETFLIX confirma cancelamento de SENSE8!

Sense8, que construiu uma legião de fãs no seu lançamento, em 2015, foi cancelada depois da segunda temporada. Sem dar explicações ou respostas conclusivas até o momento, a Netflix anunciou o cancelamento do seriado nesta quinta-feira (01).  Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

"Brasília Of Cards": Política, Corrupção e... Memes

“Brasília Of Cards”: Política, Corrupção e… Memes

A corrupção é intragável. Seja ela de direita ou de esquerda, seja você de qual lado for: a corrupção é intragável. Os recentes eventos causaram um espanto geral. Não porque ninguém esperava que houvessem tantos fichas-suja no poder – longe disso. Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

"Garota, Interrompida", quando a loucura é normalizada

“Garota, Interrompida”, quando a loucura é normalizada

Todo adolescente é rebelde, infeliz, mal-humorado e reclamão. A dúvida bate quando isso não passa depois da fase sabe-tudo dos dezesseis. A preocupação começa com os lapsos de memórias e os momentos de desespero interior cada vez mais comuns. Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

The Blacklist, uma série viciante pra assistir na Netflix

The Blacklist, uma série viciante pra assistir na Netflix

Se você acha que a nossa política já é caótica e corrupta o suficiente, você vai ficar de queixo caído quando eu te contar de um criminoso na lista de TOP 5 mais procurados da Interpol que foi contratado como informante oficial do FBI. Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

A preguiça de fazer pra amanhã que deixa tudo pra ontem

Me conta: o que você deveria estar fazendo enquanto lê esse texto? Terminar um relatório? Fim do mês tá aí, tem que mensurar os resultados, né? Ou é ligar pra sua operadora pra cobrar daquela fatura que veio o dobro do preço? Deixou de fazer um texto pra pós e vai acabar fazendo de última hora no ônibus, né? Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)

RESENHA | “Querida Sue” e a beleza de escrever cartas

Caio Fernando Abreu dizia que existem coisas que só podem ser ditas em cartas e, como não escrevemos mais cartas, existem coisas que nunca são ditas. Salvas as devidas proporções, eu concordo. A caneta no papel datado e geograficamente identificado tem muito poder. Continue lendo

Escrito por Gi Marques

Sou a poesia da contradição com incontinência verbal contando histórias que vivi e inventei (qual é qual já não posso te contar)